quarta-feira, outubro 22, 2008

(silêncio)

Eu tenho o direito de chorar, de gritar, de ficar brava, de estar chateada, de sentir desconfiança...

- Tenho?
Após a pergunta. Um silêncio no rádio. A música cessa. Os olhos se enchem de lágrimas. Mas não escorre, pois lembro que estou num lugar público, perto de pessoas estranhas.
Outra música começa. A sensação, passa. No calado, me pergunto?

- Porque estou remoendo isso? Quem são eles? O que sabem da minha vida?

E respondo sinicamente com ar de sarcástica para mim mesmo.
- Primeiro, porque você é idiota. Para de pensar em baboseiras. Pensa na crise econômica, na conta de luz que vai aumentar 15%. No novo emprego. Nos novos cursos. Na sua filha, que te ama.

- Segundo - Irônica - Eles quem mesmo? Você é louca, ou acredita em gnomos? Nunca vi pessoas mais feias que elas. Se joga, e que se "froids" .

- Terceiro, eles não sabem nada. E tenho certeza que tudo não passa de inveja. Acho melhor você procurar um curandeiro, pastor, medium, qualquer um que pregue o anti-inveja.

Depois de acabar de digitar, penso:
- "Nossa, sumiu"

Brincadeira as parte: Sumiu? Toma doriu, que a dor sumiu! hahahaha
Postar um comentário

Folha.com - Ilustrada - Principal