segunda-feira, agosto 17, 2009

Segunda-feira

- Acorda!
Chegou segunda-feira. O despertador parece gritar cada vez mais alto. Os olhos mal consegue enxergar algo além de borrões. Vou tateando a mão sobre a mesa de cabeceira e sem querer jogo o celular longe. Só escuto os pedaços em que ele ficou.
Penso "Ah, não. Saco".
Agora sou obrigada a levantar ou meu celular vai ficar em óbito. Sento, passo a mão pelo cabelo. tenho a sensação que vou cair de volta nos cobertores. Viro de lado, jogo as pernas para o chão e resmungo.
- Que chão gelado! Urg...
Caminho até meu celular. Quando olho para o chão. Opa, cadê a bateria?
- ok, ok
Agacho e começo a procurar em baixo da cama, do guarda-roupa e por fim eu avisto perto do meu chinelo.
- ótimo!
Monto o delicado aparelho que estava 'espatifado no chão'. Ao liga-ló percebo que estou com pouco tempo.
- Ótimo, atrasada!
Corro até o banheiro dou três esfregadas nos olhos, para não tropeçar em nenhum tapete. Escovo os dentes andando pelo quarto. Aproveito para olhar tudo e não me esquecer de nada. O telefone toca.
- Quem será?
Trim, trim.
- Alô!
- Alô Jenny. Já está de pé? Parece que sim. Então, você tem meia hora para chegar aqui no estúdio. Apareceu uma reunião de urgência. Parece que você vai ter uma boa surpresa. Tchau, Até. Chegue na hora.
Tu, tu, tu.

- Ah que ótimo. Nem tive chance de falar. As horas estão correndo. Maldito quem inventou a lei de murphy.
Na pressa toda mulher tem sua roupa de fácil , rápido e bonita. Calça social e camisa. Perfeito para uma reunião. Lembro que não tomei o café da manhã.
- Fica para outra hora.
Tranco a porta do meu apartamento. Deixou meu tchau e sigo para o trabalho. No caminho só consigo pensar na maldita reunião de última hora. Provavelmente eles devem estar precisando de uma repórter suicida que pode morrer e ninguém vai perceber. Ou melhor, vão me designar para entrevistar aquele ator que se ofende com qualquer pergunta. E eu posso muito bem sair com um olho roxo.
Ou. Ah, séria um sonho. Finalmente for remanejada para a parte de produção. Sou mais do tipo mandona. Põe aqui e põe a colá. Sonhar não custa nada.

Meia hora depois. Cheguei em cima da hora. Sou recepcionada pelo segurança com um bom dia e logo depois um comentário.
- Jenny acabou de acordar, em! - E solta aquela risadinha sarcastica.
Maldito dia. Quando passo pela porta de vidro, minha secretária já me pega pelo braço e sai correndo escada acima. Aos tropeços chego na sala de reunião.
- Bem vinda Jenny! Já que você chegou, quase atrasada (cof-cof), a reunião e sobre remanejamento de funcionários. E claro, você e a funcionária mais chata aqui, resolvemos te dar uma chance. Você agora vai trabalhar com o Phil.
- Phil??? - Morri, alguém me acorde.
Saí da reunião despedaçada. Phil e um homem prepotente e gosta de humilhar os outros. Acho ele parecido com um soldado Nazista. A última vez que trabalhamos juntos. Começou a gritar a copeira e logo depois começou a xingar a secretária de burra. Phil e um homem que merecia ser enforcado com aqueles cabelos loiros e aqueles lindos olhos azuis.
- Lindos? Eca!
Volto para a minha sala com o café da manhã. E continuo sonhando com o remanejamento de funcionários perfeito pra mim e não perfeito para eles. Ora!
Postar um comentário

Folha.com - Ilustrada - Principal